domingo, 5 de outubro de 2014

Tarte pastel de nata

Há quem lhe chame tarte de nata, mas para mim tarte de nata é outra coisa completamente diferente, uma que já tenho por aí no blog, esta é mesmo Tarte pastel de nata, porque parece um pastel de nata gigante.

Esta foi feita a pedido pelos colegas de serviço, para levar para um daqueles dias que ninguém gosta de trabalhar, feriados e afins, os doentes estão lá e alguém tem que tratar deles, então para adoçar o nosso dia, cada um leva algo.
Como não tinha nenhuma receita especial, fiz esta que sem ser especial, me pareceu bem e fácil.



domingo, 28 de setembro de 2014

Doce sucesso

Esta sobremesa tenho guardada á espera de fazer há anos, vem num livro que quando a vi a primeira vez pensei fazer logo, mas foi ficando á espera de uma oportunidade e ela surgiu.

Pela fotografia do livro é daquelas que apetece fazer na hora, porque fica linda e a minha ficou tal e qual a que vem no livro... pronto quase igual :-)

1 lata de leite condensado
200 gr de palitos la reine
3 dl de leite
4 gemas
2 colheres de sobremesa de maizena
2 dl de natas
casca de meio limão
100 gr de morangos
1 pacote de gelatina de morango
Hortelã para decorar

Prepare a gelatina no dia anterior conforme as instruções da embalagem.

Num pirex transparente, para melhor visual, disponha os palitos de modo a cobrir todo o fundo.

Leve ao lume numa caçarola o leite condensado, 2 dl do leite normal, e as cascas do limão até ferver.

Á parte junte o restante leite ás gemas, misturadas com a  maisena incorporando bem.

Junte o leite fervido á mistura e leve novamente ao lume até engrossar um pouco.

Deite este creme por cima dos palitos la reine e deixe arrefecer.

Pique a gelatina de modo grosseiro e ponha por cima do creme frio.

Bata as natas até ficarem consistentes.

Decore a gosto por cima da gelatina com as natas e com morangos e as folhinhas de hortelã. Com outros frutos vermelhos, mirtilos e outra gelatina também deve ficar bom e bonito.

Fica uma sobremesa lindíssima, colorida, excelente para apresentar a um jantar com convidados ilustres ou não  :-).

Para o meu gosto há ali qualquer coisa que não combina ou não liga bem, não sei se é a gelatina com o creme se a gelatina com as natas ou sou eu que sou esquisita....,porque os convidados que comeram adoraram e fizeram muitos elogios, daí deve vir o nome da sobremesa, porque fez mesmo muito sucesso :-)

domingo, 21 de setembro de 2014

Polpa de tomate e cenoura

Não gosto de trazer coisas que já fiz e já publiquei, só para encher....mas como há tantas teorias para conservar as compotas e tomatadas sem se estragarem, que resolvi escrever outra vez a que fiz este ano e também porque fiz alguma diferente.

Polpa de tomate já fiz muitas vezes, mas nunca tinha adicionado cenoura, este ano falaram-me nisso e resolvi experimentar, fiz alguns frascos com... e outros sem.

Diz a maioria das pessoas e entendidos na matéria, que temos que virar o frasco ao contrário, eu não viro nada e conservam-se muito bem, quer os doces, a fruta em calda ou as conservas salgadas.

A única coisa que eu faço é encher os frascos com o preparado ainda a ferver, é só tirar do lume, encher e fechar logo, enrosco muito bem e já está.
Os frascos tem que ser os de rolha de metal, que até podem ser reciclados de outros preparados de compra, doces, pikles, mostarda.... bem lavados com água bem quente e muito bem secos.

Normalmente faço a olho, desta vez pesei só para ficar uma referencia, para quem nunca fez e mesmo para mim, para futuras experiencias.
Estas quantidades que deixo, é o que cabe o copo do meu robot de cozinha, que utilizei e para fazer grandes quantidades é uma grande ajuda, poupa a parte de picar a cebola alhos, cenouras.... e tritura logo.



700 gr de tomate
200 gr de cebola (1 grande)
5 dentes de alho
150 gr de cenoura (2 médias)
1 colher de sopa de sal
1 colher de chá de oregãos.




Como utilizei o robot de cozinha, fui fazendo por partes.

Primeiro descasquei os ingredientes, excepto o tomate, depois meti a cebola, alho, azeite e cenoura e meti a refogar a 120º 6 min vel.1 (tritura de modo grosseiro)

Depois do refogado feito, meto o tomate com pele, só retiro a zona do pé e algum nó da casca, junto o sal e os oregãos, que também podia ser manjericão, porque também combina com o tomate, ou outros temperos a gosto.
Programo mais 2 min vel.5 e fica assim um preparado grosseiro, se quisermos mais homogéneo e fino, é só dar uns toques de turbo

Retiro para um tacho largo e deixo ferver mais um pouco para evaporar um pouco a água, porque eu utilizo o tomate inteiro, sementes e molho incluído. enquanto este ferve inicio um novo processo no robot e em cadeia, vou fazendo a primeira parte na máquina, a segunda no fogão e retiro para frascos que vou fechando e pondo a seguinte dose ao lume e por aí até acabar os tomates.


É um processo bastante eficiente este, quem não tiver robot é fácil fazer tudo ao lume, pode fazer mais quantidades de uma vez só numa panela maior, mas com a máquina eu sozinha consegui fazer bastante polpa em duas manhãs.

Esta polpa com cenoura não se conserva por tanto tempo assim nos frascos, alguma com o passar do tempo azedou, mas agora congelo assim mesmo nos frascos ou caixas de manteiga e tiro quando preciso.

sábado, 9 de agosto de 2014

Tarte de chocolate branco

Não tenho por habito comprar sobremesas de pacote cá em casa, excepto a gelatina, e nem gosto de chocolate branco, mas de vez em quando há algo que me desperta a curiosidade e compro, esta tarte, vi em algum sitio e gostei do aspecto e como dizia que a receita vinha na caixa da mousse de chocolate branco de uma determinada marca, fui á procura e lá estava.

Estas coisas de pacote tem uma vantagem são sempre rápidas e em poucos minutos sai uma sobremesa, e esta ainda por cima fica com um ar muito festivo.


1 embalagem de mousse de chocolate branco
2 folhas de gelatina
150gr de cookies de chocolate
50 gr de margarina
1 pacote de natas longa vida ou semelhantes



Ponha 2 folhas de gelatina de molho em água fria e na hora de misturar derreta-as num pouquinho de +agua a ferver, eu não gosto de derreter nada no microondas.

Pique 150 gr de cookies de chocolate ou outras a gosto e misture com a margarina derretida, eu como fiz num dia não programado, não tinha as cookies e foi mesmo com a bolacha que nunca falta cá em casa a Maria.

Forre com esta mistura uma forma de tarte ou de aro removível.
Bata a saqueta de mousse de chocolate branco como diz na embalagem e depois misture com as natas batidas em chantilly.

Por ultimo envolver as folhas de gelatina derretidas numa colher de sopa de água a ferver.

Deite o creme sobre a base de bolacha e leve ao frigorífico até solidificar, se tiver pressa, no congelador solidifica em poucos minutos.

Decorar a gosto com frutos vermelhos ou raspas de chocolate, eu tinha mirtilos á mão e foi o que usei.

Ficou uma sobremesa muito leve, de sabor suave e o meu filhinho adorou, ele que não é muito fã de sobremesas esta adorou mesmo comia ao desafio como se diz na minha terra.

P.S. a bolacha do fundo não ficou dura, porque eu como sempre corto na manteiga....


Sigam-me sigam-me »»»»aqui :)

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Gelado de morango e baunilha

Para um verão que nem está assim para verão, nem bem para inverno, ... um geladinho.

Ainda ontem estava um calorão e agora olhando pela janela do meu escritório vejo tudo cinzentão, quase á beira de uma chuvinha e fresco...

Tenho por hábito quando vou jantar a casa de uns amigos levar sempre a sobremesa, (a casa destes....) porque me habituei assim, porque para outros nunca fiz isso e nem me lembro.

Este gelado não fui eu que fiz, foram eles, que quando vêem cá a casa fazem o mesmo, também trazem um docinho, porque nunca são demais, quando se juntam amigos á volta de uma mesa, entre comidas, doces e licores a coisa rende sempre muito enquanto se deita conversa fora.

A receita, fácil rápida e boa, porque o convite foi em cima da hora... havia que trazer algo... até parece obrigação :-) e como o lema é coisas feitas em casa, nada de comprar um gelado ou algo feito esta é uma solução rápida.
.

1 embalagem de morangos madurinhos
1 embalagem de gelado de baunilha
1 pacote de palitos de champanhe

Lavar e retirar os pés aos morangos e no copo misturador ou outro robot, triturar a gosto, mais puré ou com pedacinhos e guardar um ou dois para decoração.

Triturar também os palitos de champanhe.

Misturar a bolacha com os morangos.

Juntar o gelado de baunilha, sem descongelar e misturar  bem com os outros dois ingredientes, bater mais ou menos consoante se quer que fique mais homogéneo ou nem por isso, se ficar marmoreado cor de rosa com amarelo também fica bom.

Levar mais um pouco ao congelador e já está.
Fica um gelado muito bom, de sabor intenso, fica o registo da receita e agora podemos inventar com mistura de outros sabores ou bolachas.

sábado, 15 de março de 2014

Mil folhas

Este é um bolo que nunca me despertou grande interesse, nem fazer nem comer em pastelarias, porque não aprecio aquela carapaça de açúcar que leva em cima, mas o meu menino adoraaa, e entre ratinhos de chocolate e este mil folhas vai variando, sempre que tem oportunidade de comer em alguma pastelaria.

Ultimamente abriu-me o apetite para experimentar este, porque comecei a ver em revistas e na blogosfera o primeiro que vi já me abriu o apetite, o segundo  veio confirmar, pareceu-me relativamente fácil por isso nada como experimentar e tirar as dúvidas.

Este já está testado, ficam agora os ratinhos para a próxima..


1 placa de massa folhada rectangular

Creme de pasteleiro:
200gr  de leite
75gr de açúcar
Casca de limão

50 gr de leite
15 gr de farinha
15 gr de maizena
2 gemas de ovo

Glacé de açúcar:
200 gr de açúcar em pó
1 clara de ovo
Sumo de limão
1 colher de sopa de cacau em pó

Primeiro cortar a placa de massa folhada em três, do lado que fiquem mais largas e curtas.
Picar a massa toda com um garfo para não crescer muito muito, a minha mesmo assim cresceu.
Levar ao forno a cozer em cima de papel vegetal ou tapete de silicone em forno pré-aquecido a 190º durante mais ou menos 15 minutos ou até ficar douradinho a gosto.

Depois pulverizar os 200 gr de açúcar para a glace no robot de cozinha 30 seg vel 5-7-10, no meu robot de cozinha o açúcar não ficou perfeitamente em pó, para a próxima terei que fazer mais uns segundos ou fazer por duas vezes, porque com este tempo e velocidade ficaram a notar-se alguns gruminhos. 
Retirar para uma taça e reservar.

Em seguida fazer o creme de pasteleiro:

Pode-se fazer de modo tradicional, eu fiz no robot de cozinha.

Juntar numa taça as farinhas e as gemas com os 50 ml de leite e mexer bem até ficar homogéneo e sem grumos, reservar.

Meter o leite, açúcar e casca de limão no copo da máquina e programar 8 min. 90º vel. 2

Quando terminar o tempo, juntar a mistura das farinhas e gemas no copo da máquina e programar mais 7 min. 90º vel.4
Transferir para uma taça e cobrir com película aderente mesmo junto ao creme para não formar uma película dura e deixar arrefecer.

Entretanto e por ultimo preparar a glace:
Bater a clara em espuma, não em castelo e juntar aos poucos o açúcar, alternado com umas gotas de sumo de limão, batendo muito bem até ficar bem homogéneo, deste creme retiram-se duas colheres para uma tacinha e junta-se aí o cacau, eu usei 2 colheres de sopa chocolate em pó.

Por ultimo montar o mil folhas.

Por no fundo uma placa de massa folhada e cobrir com metade do creme de pasteleiro, colocar a segunda placa que deve ficar com a parte lisa para para cima e cobrir com o restante creme de pasteleiro, colocar a ultima placa que também deve ficar com a parte lisa para cima, para facilitar espalhar a glace e para que fique liso e direitinho.

Meter a glace de chocolate num saco de pasteleiro com bico fino, ou num cartucho de papel vegetal ou até pode ser um saco de plástico limpo ao qual se cortou um furinho num dos cantos e fazem as riscas horizontais no sentido do comprimento.

Depois com uma faca fazer riscos no sentido da largura, pousando a faca no sentido da largura e arrastando levemente, ora num sentido, ora noutro, alternando para dar o efeito pretendido e habitual nestes mil folhas.

A apreciação geral foi o delírio total, tanto pelo efeito visual, como no sabor, o único contra é que foi pequeno demais e o meu filhinho ia fazendo birra por só ter direito a uma fatia pequena....

Tenho que fazer outro rapidamente só para ele :-) mas o próximo será só cortado em dois, porque este ficou muito alto e estreito e não é muito prático para cortar as fatias, desfaz-se um pouco, principalmente as ultimas, a massa folhada escorrega no creme e desmancha-se.


domingo, 23 de fevereiro de 2014

Bolo de limão

Bolinhos tipo pão de ló são os que reúnem mais fãs cá em casa, não posso fazer grandes e inovadoras experiências, porque os homens fazem cara feia...

Por isso vou variando nos sabores e estes com sabores cítricos de laranja ou limão também são muito bem aceites, esta é mais uma experiência entre outras parecidas, mas que resultou muito bem.

5 ovos
2 chávenas de açúcar
2 chávenas de farinha
1 chávena de leite
2 colheres de sopa de óleo
1 colher de café de fermento
Raspa de um limão
Sumo de meio limão.

Bater primeiro os ovos inteiros com o açúcar, depois juntar a casca de limão ralada.

Juntar o leite misturado com o óleo alternado com a farinha misturada com o fermento e continuar a bater.

Por ultimo juntar o sumo de limão e bater mais um pouco.

Vai a cozer em forma untada e polvilhada de farinha, em forno a 200º durante mais ou menos 30 min, depende do forno, convém aos 30 min verificar com um palito.

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Panquecas de buttermilk e mirtilos

Cá em casa panquecas são sempre muito bem vindas, eu antes de as provar gostava mais de crepes, agora já nem sei.
Só ainda não fiz como os americanos que tem sempre a mistura de sólidos pronta para quando apetece, mas lá chegaremos, porque para um lanchinho ou até para o pequeno almoço é muito bom.

Estas com buttermilk ficam muito fofinhas, já as fiz muitas vezes, os mirtilos foram novidade, mas gostei deram-lhe um toque diferente muito bom.

1 chávena de farinha
1 colher de sopa de açúcar
1 colher de chá de açúcar baunilhado
1/2 colher de sopa de fermento
1 chávena de leite
Sumo de meio limão
1 ovo
1 colher de sopa de manteiga
Juntar o limão com o leite e deixar durante 10 min em repouso para fazer o buttermilk, pode ser vinagre, mas eu faço com limão, parece-me mais adequado a coisas doces...

Juntar os sólidos todos todos numa taça, juntar aqui os líquidos e mexer muito bem.

Aquecer uma frigideira anti-aderente e passar um guardanapo untado com óleo, deitar colheradas de massa e quando começar a fazer bolhinhas virar com uma espátula.

Com doce, chocolate, açúcar e canela é ao gosto de cada um, simplesmente deliciosas.
Mais um rolinho mamã... podes fazer mais destes rolinhos, mas para mim sem as bolinhas :-)...

sábado, 8 de fevereiro de 2014

Leite creme de pacote com gemas

Sobremesas de pacote sim ou não...

Eu por norma não sou muito fã, não por não gostar, mas por serem coisas artificiais cheias de corantes e conservantes e sempre  que posso fugir destas coisas não as utilizo, já chega as coisas que não podemos escapar porque muitas vezes nem sabemos ou dá jeito utilizar.

Mas tenho que reconhecer que é muito prático e de vez em quando compro, quando não há fruta ou o pequeno pede de repente um leite creme este está feito em dois minutos...se bem que o do robot de cozinha também fica pronto em 12 minutos, mas exige mais ovos e nem sempre há.

Este foi uma adaptação para que não fique tão "deslavadinho" juntei-lhe uns ovos e fica com um ar mais caseirinho.

1 l de leite gordo
2 pacotes de leite creme
3 gemas de ovo
6 colheres de sopa de açúcar

Envolver o açúcar com o pó para leite creme e misturar bem, dissolver com um pouco de leite retirado do litro, misturar aqui as gemas e bater bem.

Levar o restante leite ao lume a ferver. Quando ferver juntar um pouco na mistura anterior e mexer bem, juntar a mistura ao restante leite e levar novamente ao lume brando por mais um ou dois minutos até engrossar.

Fica muito bom, simples mas bom, mais rico que o de pacote simples.

sábado, 1 de fevereiro de 2014

Tarte de queijo e pêssego da vaqueiro e uns livrinhos maravilhosos

Desde 2008 que tenho facebook, muitos adoram outros odeiam, eu acho graça, sempre achei desde o principio ainda quase ninguém que eu conhecia tinha e eu já andava por lá, agora a febre é geral e é quase saneado da sociedade quem não tem facebook, até as avozinhas comunicam por ai com seus netinhos.

E o que tem isto a ver com uma torta de queijo e pêssego, á primeira vista nada... mas á segunda tem tudo, porque foi através do facebook e de uma menina tralheira que soube que a vaqueiro estava a dar uns livros maravilhosos apenas em troca da compra de dois produtos, simples assim... era só mandar a prova de compra e eles enviavam os livros, fui ao sitio do costume á procura dos ditos produtos, enviei para a morada indicada o talão da compra e passadas algumas semanas lá chegaram os livrinhos, lindos maravilhosos

A receita é de lá 

Base
200 gr de bolacha
100 gr de manteiga
1 colher de chá de canela

Recheio
750 gr de queijo fresco(usei 500 gr+250 de mascapone)
200 gr de açúcar
6 folhas de gelatina usei mais 4 para a cobertura
0,5 dl de água
4 iogurtes de aroma de pêssego(usei com pedaços)
100 gr de nozes ou amêndoa moída
1 lata de pêssego

Rale a bolacha, eu usei bolacha digestiva e amasse com a manteiga e a canela em pó. Amasse bem até ligar bem o preparado e forre com esta massa uma forma de aro amovível. Leve ao frigorífico enquanto prepara o creme.

Ponha 6 folhas de gelatina de molho em água fria e derreta-a num pouco de água a ferver.

Esmague o queijo fresco com um garfo e depois bata na batedeira com o açúcar, até ficar cremoso. Adicione aqui a gelatina sem deixar de bater.
Junte os iogurtes um de cada vez sem deixar de bater e por ultimo a amêndoa e envolva bem..

Deite este preparado sobre a massa de bolacha na forma e leve ao frigorífico de um dia para o outro ou até solidificar.

Antes de servir retire o anel da forma e decore com meias luas de pêssego em calda.

Eu decorei com o pêssego entes de desenformar e com metade dos pêssegos e mais ou menos 100 ml da calda fiz um puré e juntei as 4 folhas restantes de gelatina também derretidas e deitei sobre os pêssegos, criou uma camada gelatinosa onde se sentiam os pêssegos inteiros, muito boa e fresca. desenformei só depois de solidificar esta terceira camada.

Os livros maravilhosos Culinárium da vaqueiro, dois volumes enormes e cheios de receitinhas maravilhosas :-) a minha mãe tem os que se venderam desde o inicio, a encadernação e a caixa para os guardar é melhor, mas o interior é exactamente igual as mesmas receitas e mesmas fotografias.

Lindos os meus, muito mais fashion :-)
Gostei muito deste prémiozinho, porque desde sempre gostei muito das receitas da vaqueiro, das suas revistas e livrinhos.

domingo, 26 de janeiro de 2014

Pão em bolas, bolinhas cacetes e afins....

Já há muito tempo que cá em casa não fazemos o pão directamente na máquina do pão, agora cozemos sempre no forno.
Programo a máquina para só amassar e levedar e depois retiro faço com a forma que mais gostamos e vai ao forno para cozer e assim temos o pão redondo, comprido ou em pequenas bolas, fica com mais casca ao gosto dos homens cá de casa e corta-se melhor, porque na cuba da máquina ficava sempre daquela forma quadrangular enorme que não era muito prático para cortar.

A receita é mais ou menos sempre a mesma, poderá variar na variedade da farinha, mais rústico ou menos.

400 ml de água
200 gr de farinha para pão rústico
500 gr de farinha 65
1 colher de café de sal
1 colher de chá de fermento para pão.

Meter tudo na cuba da máquina de fazer pão e programar para amassar e levedar, na minha máquina é o programa  massa.

Retirar a massa da cuba, polvilhando com farinha é mais fácil moldar o pão com a forma que desejarmos.
Deixar repousar um pouco em local quente e levar ao forno previamente aquecido a 230º durante mais ou menos 30 min e depende do tamanho, se forem bolinhas cozem mais rápido.

domingo, 12 de janeiro de 2014

Torta de Cenoura

Esta receita de torta de cenoura já é antiga cá em casa e costumava fazê-la muito, quer em torta, quer em queques e gostamos bastante, ultimamente não faço muito, pela quantidade de açúcar que leva e não adianta cortar muito, porque fica o sabor da cenoura cozida muito acentuado, parece que só falta o peixe para acompanhar... não aprecio muito o sabor da cenoura cozida...

500 gr de açúcar
500 gr de cenoura
4 ovos
60 gr de farinha
Raspa da casca de uma laranja
1 colher de chá de canela

Primeiro cozer a cenoura descascada e cortada de modo grosseiro, em água temperada com uma pitada de sal. Escorrer e triturar com a varinha ou passar no passe-vite e reservar.

Bater os ovos inteiros com o açúcar, juntar a farinha, a raspa de laranja e a canela e bater mais um pouco, por ultimo juntar a polpa de cenoura já fria e envolver bem.

Vai a cozer em tabuleiro forrado com papel vegetal untado com manteiga e polvilhado com farinha, durante 20 minutos.

Desenforma-se sobre um pano polvilhado com açúcar e enrola-se.

Pode fazer-se esta receita em forminhas pequenas e ficam tipo queijadinhas e são muito boas.